quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O “ANJO DA ESPERANÇA” DOS BÊBADOS

Irmã Ignatia E O A.A. 1889 - 1966
Irmãs de Caridade de Santo Agostinho
O “Anjo da Esperança” dos Bêbados

O telefone tocou e a Irmã Ignatia atendeu.

“É o Bill, Irmã. Sinto muito, mas vou ter de lhe devolver a Medalha do Sagrado Coração. Eu tive uma manhã dura e estou saindo para ir tomar um trago.”

Irmã Ignatia suspirou profundamente, mas respondeu de imediato: “Não faça isso, Bill. Espere até terminar o seu trabalho às 5 horas. Aí me telefona de novo. Enquanto isso, eu rezarei por você. Não importa o que fizer, não me devolva essa medalha. Mantenha-a com você para força e inspiração.”

Irmã Ignatia rezou fervorosamente durante toda a tarde e, finalmente Bill telefonou de novo.

“Está O.K., Irmã, eu não tomei aquele trago. Acho que agora ficarei bem, graças ao Sagrado Coração e a Senhora.” 

As chamadas telefônicas e a resposta dada não são nada de novo – acontece com bastante freqüência. Pois a Irmã Ignatia é a fundadora e diretora do Rosary Hall Solarium, uma ala para alcoólicos no St.Vincent Hospital em Cleveland, Ohio. Desde Dezembro de 1952, ela dedicou-se às necessidades de cerca de 3.000 homens e mulheres que haviam sucumbido ao alcoolismo. Deste total cerca de 60 por cento foram considerados completamente curados; outros 20 por cento titubearam por algum tempo e depois abandonaram completamente o álcool; e apenas 20 por cento são consideradas falhas após o tratamento espiritual e terapêutico.

E quando eles deixam o Rosary Hall, a Irmã Ignatia lhes dá a Medalha do Sagrado Coração. É considerada como uma constante força de inspiração para não ingerir outro drinque. E ela diz a todos eles que a Medalha é dada apenas com a condição de que precisa ser devolvida após um primeiro drinque ter sido tomado.

O Dr. Smith, apesar de não ser católico, era do Hospital. Ele próprio havia adquirido o hábito de beber e sentiu a necessidade de ajudar os outros com um mesmo comprometimento. Ele engajou-se em ajudar a Irmã Ignatia. 

Dr. Smith e Irmã Ignatia concordavam em um ponto – o alcoolismo podia ser controlado por cuidados médicos apoiados por atenção espiritual. Era este princípio que eventualmente implantaram em St. Thomas, um serviço que tratava exclusivamente pessoas que sofriam do alcoolismo. Foi o primeiro esforço neste sentido no País.

Como funciona o Rosary Hall?

A base do programa é o famoso “ Doze Passos “ de A.A. Basicamente envolve a admissão pelo vitimado de que é impotente para se auto-ajudar, seguida pela decisão de entregar sua vida e sua vontade aos cuidados de Deus.

Rosary Hall tem a sua própria capela aonde os pacientes rezam o Rosário diariamente as 8:00 PM, invocando a proteção de Deus e de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, padroeira dos alcoólicos.

Para ser aceito no Rosary Hall, a pessoa tem de ser apadrinhada por um membro de A.A. de boa sobriedade. Precisa demonstrar o desejo não só de alcançar a sobriedade, mas de mantê-la. A estadia de cinco dias é uma retirada do mundo exterior e dos hábitos que causaram o seu colapso. Não há rádios, aparelhos de televisão, jornais ou revistas – nada a não ser literatura de A.A. e outras leituras pertinentes ao programa.

A terapia física utilizada é a mais moderna conhecida pela ciência médica. Os médicos assim como os padres são essenciais no caminho da recuperação.

Os pacientes não podem receber visitas, exceto membros de A.A. que são benvindos de 9 A.M. até 9 P.M. A conversa é focada no alcoolismo e seus problemas. À todo anoitecer um membro de A.A. comparece para coordenar uma breve reunião para os pacientes.

Um elemento essencial no Rosary Hall é a Sala do Café, aberta o tempo todo. Há também uma cozinha e um refrigerador bem provido de alimentos. Os itens principais são leite e sucos cítricos, pois o alcoólico é freqüentemente uma pessoa subnutrida. Os pacientes são encorajados a comerem à vontade.

O programa do Rosary Hall recuperou muitos alcoólicos para vidas úteis e felizes. É essencialmente um programa espiritual, requerendo humildade e preces pedindo a ajuda de Deus. A Caridade também está envolvida, porque os AA’s assim que param de beber, dedicam muito de seu tempo a ajudar os outros que ainda estão enredados no que eles acabaram de ser libertados.

No Rosary Hall, todos os quartos, exceto um, são para mais de uma pessoa, porque, com freqüência, não é bom para um AA, ficar sozinho. Este é um quarto privativo para casos difíceis, nos piores estágios. Irmã Ignatia o apelidou de “Quarto de Descongelamento.”

Rosary Hall foi ajustado por AA’s. Assim que o projeto teve inicio eles, eles vieram em grande quantidade e retiraram os detalhes das mãos de Irmã Ignatia. “Deixe que nós nos preocupamos com isso,” era freqüentemente dito a ela.

AA’s com todos os tipos de ocupações apresentaram-se como voluntários para o serviço. Católicos, Protestantes e Judeus - todos eles enviavam dinheiro ou contribuíam com trabalho. Algumas vezes eles recontavam seu próprio deslize e como a Irmã Ignatia e os outros o ajudaram.

Após isto, tudo o que a irmã disse foi: ”O A.A. é assim para você. São todos desta maneira. E seus parentes e amigos também. Na verdade, eu não tenho nada a ver com tudo isso. É Nossa Senhora e o A.A. quem estão fazendo tudo.” 

Irmã Ignatia é uma mulher muito tímida, frágil, quase transparente. No entanto é firme e resoluta, e energizada ao ponto de que 24 horas parecem ser pouco para o seu dia. 

Rosary Hall também oferece seus serviços para muitos dos que sofreram com os alcoólicos. Um grupo muito alerta e progressivo de mulheres composto por esposas e parentes de membros de Alcoólicos Anônimos, que reúne-se semanalmente para discutir seus problemas. Seu objetivo é a reconstrução de seus casamentos e a re-cristianização de seus lares e famílias. Resultou em uma abordagem fora do comum para a solução dos problemas. As mulheres trocam suas experiências e encorajam-se mutuamente para terem fé em seus maridos e ajudá-los no caminho da satisfação espiritual e material.

Um detalhe - - não há segunda chance em Rosary Hall. Os pacientes são admitidos apenas uma vez.. Se falham então devem procurar outro método de recuperação. Mas não existe conversa de fracasso por parte da Irmã Ignatia. Esses homens e mulheres vem a ela no ponto mais baixo de sua maré. Na maior parte dos casos é por sua consolação que elevam-se acima da degradação e assumem sua verdadeira dignidade como filhos e filhas de Deus.

“Universidades e grupos de benemerência gastaram milhões de dólares em uma tentativa de descobrir as causas do alcoolismo. Mas ninguém conseguiu apontar a causa exata. No entanto, o choque de opiniões entre as grandes mentes que abordaram o problema sugere que a falta de aplicação espiritual por parte da vítima, é, pelo menos, uma causa primária. 

“Os co-fundadores de Alcoólicos Anônimos acreditavam que a solução do problema para muitos, deveria ser encontrado na mescla das forças da medicina e da religião. Com essa reunião; o que seria mais propicio à regeneração do individuo como um todo, que a atmosfera de um Hospital Católico ? O caso médico profissionalmente administrado com sua receita propiciando terapia espiritual, física, mental e moral. 

“O alcoolismo afeta homens e mulheres em todas as fases da vida. Pesquisa mostrou que 25% da população “skid row” (N.T.) de qualquer grande cidade possui instrução universitária. O fruto do vinho - - um estimulante inofensivo para muitos - - nas mãos de um alcoólico se transforma em um veneno.

“O alcoólico está precisando de simpatia. Caridade Cristã e cuidados apropriados são necessários para que, com a graça de Deus,para ele ou para ela, seja concedida a oportunidade de aceitar uma nova filosofia de vida.”

O paciente é instado a precaver-se conta o orgulho, auto-piedade, ressentimento, intolerância e criticismo; a freqüentar reuniões, divulgar os princípios de Alcoólicos Anônimos, e de voltar ao Hospital para ajudar outros.

Finalmente, há a medalha do Sagrado Coração. Não são muitas as que retornam para a Irmã Ignatia. Mas quando são devolvidas, ela pede para que o paciente não de o primeiro passo de volta para a ruína. Freqüentemente significa uma ligação telefônica de longa distância, uma prece fervorosa, e a ajuda de um grupo local de A.A. para manter o indeciso no caminho certo.

Para alcoólicos por toda a América, a Irmã Ignatia é chamada de “Pequeno Anjo.” Ela é na verdade pequena e frágil, mas sua força é de um Miguel e sua mensagem a de um Gabriel. Tanto o humilde quanto o grande que morreram na bebida mas vieram a renascer atestam o fato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário